O uso de cateter venoso central (CVC) impregnado com antibiótico X infecção na corrente sanguínea relacionada ao cateter (ICSRC) - (Cuidados Críticos)

14/05/2020

O uso de cateter venoso central (CVC) impregnado com antibiótico X infecção na corrente sanguínea relacionada ao cateter (ICSRC) - (Cuidados Críticos)

O uso de cateter venoso central (CVC) impregnado com antibiótico X infecção na corrente sanguínea relacionada ao cateter (ICSRC) - (Cuidados Críticos)
O Cateter Venoso Central (CVC) é um tipo de dispositivo essencial na assistência à saúde, pois permite desde a administração segura de medicamentos intravenosos que não podem ser administrados por via periférica, até a nutrição parenteral e monitorização. 

Devido à sua natureza, o mesmo está relacionado a ocorrência de diversas complicações, servindo como potenciais portais para infecções da corrente sanguínea relacionada ao cateter (ICSRC), pneumonia, trombose venosa profunda (TVP), embolia gasosa, entre outras, revelando-se um problema de grande magnitude. [1]

Conforme a recomendação da ANVISA (2010), os cateteres impregnados com antibióticos, Minociclina e Rifampicina, possuem um alto poder preventivo na ICSRC, sendo amplamente recomendado tanto em UTI  com pacientes adultos quanto pediátricos.[2] 

Dr. Darouiche e o Dr. Raad descobriram que a combinação de Minociclina e Rifampicina (M + R) produz uma eficácia considerável na proteção contra um amplo espectro de organismos, incluindo: Staphylococcus aureus resistente à Meticilina (MRSA), Enterococcus resistente à Vancomicina (VRE), Staphylococcus aureus resistente à Vancomicina (VRA) e alguns fungos. [figura 1] [3,4]


Figura 1: A durabilidade da zona de proteção formada do cateter impregnado com antibiótico M+R em cepas de MRSA

A redução de infecções na corrente sanguínea relacionada ao acesso venoso central (CLABSI), possui resultados superiores ao cateter impregnado com antibiótico (M+R) versus cateter impregnado com antisséptico (Clorexidina + Sulfadiazina de Prata – Ch+SS). [figura 2] [5]


 

Figura 2: (a) Estudo comparativo da taxa de redução de CLABSI entre o cateter impregnado com antisséptico (CH+SS) versus cateter impregnado com antibiótico (M+R). (b) Microrganismos isolados de pacientes com CLABSI em UTI. [5]

Além de comprovações científicas sobre a redução de infecções na corrente sanguínea, os estudos ainda mostram que o uso prolongado desse dispositivo não foi associado ao aumento da resistência bacteriana. [6]

A E. Tamussino possui diversos dispositivos para a terapia intensiva, sendo um deles o cateter venoso central Spectrum®, que age como adjuvante na prevenção de ICSRC. Os cateteres estão disponíveis em três apresentações: duplo, triplo e quíntuplo lúmen, sendo todos impregnados com antibiótico, Minociclina e Rifampicina, tanto internamente quanto externamente. [figura 3]


Figura 3: Cateter venoso central Spectrum®

Referências Bibliográficas

1. Bell, T., & O’Grady, N. P. (2017). Prevention of Central Line–Associated Bloodstream Infections. Infectious Disease Clinics of North America, 31(3), 551–559. doi:10.1016/j.idc.2017.05.007 

2. Orientações para Prevenção de Infecção Primária de Corrente Sanguínea, ANVISA, 2010.

3. Raad I, Darouiche R, Hachem R, et al. Antibiotics and prevention of microbial colonization of catheters. Antimicrob Agents Chemother. 1995;39(11)2397-2400. 

4. Sheretz RJ, Carruth WA, Hampton AA, et al. Efficacy of antibiotic-coated catheters in preventing subcutaneous Staphylococcus aureus infection in rabbits. J Infect Dis. 1993;167(1):98-106. 

5. Bonne S, Mazuski J, Sona C, et al. Effectiveness of minocycline and rifampin vs chlorhexidine and silver sulfadiazine-impregnated central venous catheters in preventing central line-associated bloodstream infection in a high-volume academic intensive care unit: a before and after trial. J Am Coll Surg. 2015;221(3):739-747. 

6. Ramos ER, Reitzel R, Jiang Y, et al. Clinical effectiveness and risk of emerging resistance associated with prolonged use of antibiotic-impregnated catheters: more than 0.5 million catheter days and 7 years of clinical experience.. Crit Care Med.2011;39(2):245-251.